Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Gemini's Blog

Um diário sem folhas, um desabar de tudo o que não tem mais lugar na cabeça. Devaneios e desabafos de uma geminiana tão diferente e tão igual a tantas outras... Sinto mais do que demonstro, sei mais do que aparento.

Miss Gemini's Blog

Um diário sem folhas, um desabar de tudo o que não tem mais lugar na cabeça. Devaneios e desabafos de uma geminiana tão diferente e tão igual a tantas outras... Sinto mais do que demonstro, sei mais do que aparento.

Ela aprendeu

Quando tudo aquilo em que acreditamos é posto em questão. Quando tudo o que temos como garantido desaparece e nos vemos obrigados a rever as nossas crenças, as nossas escolhas...

Ela era intransigente, defendia as suas crenças com unhas e dentes, julgava quem não pensava como ela, achava-se forte e que ja tinha sofrido o suficiente para saber que nada a deitaria abaixo. E realmente ela ja tinha passado por muito. E realmente ela era forte. Mas ela desconhecia a que ponto a sua mente a podia trair e destruir. Ela desconhecia que um dia teria que ser ela a ajudar-se a ela propria. Teria que ser ela a decidir procurar ajuda, teria que ser ela a obrigar-se a melhorar, a encontrar formas de se levantar, a encontrar forças para enfrentar o periodo mais negro da sua vida e que ela nunca imaginaria viver.

O que ela nao sabia é que um dia ela teria vontade de acabar com a propria vida. Um dia ela teria panico da solidão. Um dia ela daria tudo para partilhar o seu dia-a-dia com alguém, logo ela que sempre viveu sozinha e abdicou de tanto para manter o seu espaço. O que ela nao sabia é que um dia ela se sentiria à beira de enlouquecer e perderia o controlo sobre a sua propria mente e corpo.

A parte boa? Ela ganhou consciência de que só quando está desconfortavel, so quando se torna impossivel continuar daquela forma, é que se dá a mudança, o crescimento. E hoje ela sabe que é vulnerável, e que tudo na vida é relativo. Que as dores dos outros não podem ser julgadas, que nunca sabe a realidade do outro, que somos todos diferentes e todos devemos ser respeitados. Hoje ela guarda a doçura mas ganha consciência de se resguardar, de se proteger melhor de quem não lhe faz bem. Porque acreditar que ninguém nos pode destruir é disparate, porque acreditar que somos fortes o suficiente para lidar com tudo, é parvoíce. Hoje ela sabe que tem que selecionar quem faz parte da vida dela, quem lhe acrescenta. Ela aprendeu a ouvir e seguir a sua intuição. O caminho é longo, mas ela aprendeu e está disposta a continuar de mente aberta e curiosa.

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.