Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Gemini's Blog

Um diário sem folhas, um desabar de tudo o que não tem mais lugar na cabeça. Devaneios e desabafos de uma geminiana tão diferente e tão igual a tantas outras... Sinto mais do que demonstro, sei mais do que aparento.

Miss Gemini's Blog

Um diário sem folhas, um desabar de tudo o que não tem mais lugar na cabeça. Devaneios e desabafos de uma geminiana tão diferente e tão igual a tantas outras... Sinto mais do que demonstro, sei mais do que aparento.

A vida é isto mesmo

E a vida é isto. Ainda ontem escrevia que sermos mais felizes (ou menos infelizes) só dependia de nós, e hoje toda eu sou carência, frustração e tristeza. E a vida é isto, é saber que dias menos bons existem e não significam todo um esforço deitado por terra. É saber aceitar e respeitar as nossas emoções. É permitirmo-nos estar tristes sabendo bem la no fundo que amanhã voltaremos a sorrir. É não deixar de apreciar um sunset mesmo com os olhos cheios de lágrimas.

A vida é isto mesmo, montanha russa com altos e baixos, hoje agarramo-nos ao trabalho para esquecer, amanhã percebemos que esse não é o caminho, e depois de amanhã lá estaremos a ocupar-nos com outra coisa qualquer. Dias em que o silencio é ensurdecedor e dias em que silêncio é tudo o que queremos.

Hoje o silencio parece-me insuportavel. Abrir espaço aos pensamentos é um caminho sem volta para adormecer a chorar outra vez. Sabias que a nossa mente por vezes parece querer destruir-nos? Alguns dirão que é a dor da evolução. Mas, e força para enfrentar certos silencios? Ha dias em que não a temos. E está tudo bem. Pego um livro, meto musica e passam-se umas meias horas. Saio de café em café, faço compras e invento coisas a fazer para me tirar de casa, e está tudo bem. Tudo é melhor do que abrir a caixinha de pandora. A vida é isto. Arranjar mecanismos para "fugir" em vez de enfrentar, quando assim tem que ser.

Hoje faz-me falta quem amo. Hoje preciso que precisem de mim como eu preciso deles. Hoje gostaria que estivessem como eu estou disposta a estar. Mas la está a conversa do "aceita o que não podes controlar". E eu aceito, e fujo, e rezo para que as horas passem depressa sem que me dê oportunidade de enlouquecer. Se gosto de dias assim? Não! Se vejo outra solução? Hoje não. E está tudo bem. Amanhã será melhor. Hoje escrevo, e fujo. Amanhã sorrio e luto. Apreciar os bons momentos e aguentar os maus. A vida é isto mesmo.

Age!

Quanto mais o tempo passa mais eu acho incrível a nossa capacidade de adaptação. Vai tudo tanto da nossa mente...

No final de 2019 dei por mim no que eu sentia ser uma situação terrível, não tinha o meu cantinho, a minha estabilidade, e a vida tinha dado uma volta inesperada que me deixou sem chão. Essa "prova" e algumas outras que passei durante o ano fizeram-me perceber que tinha que sair do buraco onde me tinha enfiado. Porque percebi que a situação em si não ía mudar, só a minha forma de ver e reagir a tudo podia mudar. E assim decidi, ser mais positiva, deixar as dores de 2019 para trás e procurar o lado bom das coisas que me acontecem. Encontrar a paz no meio do caos depende de nós. Fazermos coisas que nos fazem bem, rodearmo-nos de pessoas que puxam pelo nosso melhor, despertar a vontade de ser feliz independentemente das circunstâncias.

Verdade seja dita, há um conforto na dor. Por vezes a nossa vida (mente) está tão vazia que so as coisas más que nos acontecem lhe dão sentido. E enquanto nos vitimizamos, somos ouvidos, somos apoiados, e isso faz-nos sentir confortáveis. É dificil sair deste ciclo. Mas... se nos alimentarmos de coisas boas, se acrescentarmos coisas boas à nossa vida, se reagirmos positivamente ao que nos acontece, mais pessoas de boa energia se aproximam, e mais momentos bons dão sentido à nossa vida. Vai tudo de nós. 

Se não estás bem, procura as respostas, coloca-te as boas questões, age! Podes errar? Podes, mas certamente sairás de onde estás e a partir daí adaptas-te! O que é pior? Errar ao tentar acertar ou manteres-te numa situação que não te faz feliz? Age! Se tens problemas com alguém conversa, tenta entender, tenta resolver, dá de ti. Se não estas bem no teu trabalho, tenta chegar a acordo. Não dá? Procura outro. Se alguém te faz mal, afasta-te. Se alguém te faz bem, abraça! Tira tempo para ti, percebe o que não está a encaixar, investe em ti, anima a tua vida. Ela não dá prendinhas, a vida dos outros também não é perfeita, so depende da forma como vês as coisas, do quanto das de ti para te sentires suficiente em qualquer situação, de teres a consciencia tranquila e meteres na cabeça de que não és vitima, a vida que tens foi a vida que fizeste por ter! Assume a tua responsabilidade (dói de caralho assumirmos para nós mesmos as cagadas que fazemos, mas depois é libertador!), aceita o que não podes controlar e nao deixes a tua felicidade na mão de acasos ou de outros. 

E tu, estás satisfeito?

Com certeza que já paraste para pensar na tua evolução. No que eras à 10 anos, há 5, há 1 e em quem te tornaste. Acredito que já todos fizémos isso.

As redes sociais acabam por ser uma ajuda nesta reflexão. Olhas as fotos antigas, que te trazem à memoria o que pensavas e como te sentias quando determinada foto foi tirada, ou postada. E vais fazendo scroll e sentindo a tua evolução como numa timeline.

Dei por mim a fazê-lo depois de conversar com uma amiga (daquelas amizades de longa data mas que parece que deixaste de te identificar? E não percebes porquê? Sabes?), de me ter sentido tão perdida neste ultimo ano e de ter conversado com alguém que vive presa a uma imagem ideal de vida ideal de uma idade que ja não volta e que simplesmente não consegue aproveitar o dia de hoje por viver agarrada ao que ja foi, acabando por desperdiçar anos, ha anos, e nem se apercebe. Isto tudo me fez pensar...

E percebi que tudo mudou tanto! Percebi que não me "tornei" a S. deste ultimo ano e que foi só uma fase (grata!) mas ao ver a S. de há 3 anos ou 5... mudou tudo. Mudaram as prioridades, os gostos, as preferências e necessidades. A minha paz virou prioridade. A tranquilidade do meu canto virou necessidade. As noitadas deram lugar ao sossego. A calhandrice da vida alheia teve entrada recusada na minha morada. Mostrei-me ser mais corajosa do que pensava. A vida levou-me ao limite, e eu enfrentei. E hoje, o que antigamente era importante, hoje não é mais. Hoje olho para trás e orgulho-me do meu caminho. Ver que vivi cada etapa da melhor forma que pude, que aceito a vida (diga-se os anos) a passar por mim, que não me agarro a um passado ou me limito à espera do futuro, é agradável. E talvez daí eu ja nao me identificar com algumas pessoas, atitudes ou crenças... porque a S. de antigamente não está mais aqui.

Espero que sintam o mesmo, que olhem para trás e vejam que evoluiram, que cresceram e que tudo foi como deveria ser. Espero que se sintam tranquilos quando olham para o que se tornaram. E se não... que tenham força para mudar para melhor, para se tornarem melhores seres humanos, para traçarem o caminho que desejam daqui para a frente. Porque o mundo não é dos que se acomodam à ideia de que "eu sou assim, sempre fui" mas sim aos que percebem que somos seres em evolução que viemos aqui para ser felizes, e melhores do que éramos ontem.

Um beijinho, S.

Um dia de cada vez

Há dias tramados não há?

Quando estamos a passar uma fase menos boa, ora nos fechamos em casa e aumentamos o nosso sofrimento como punição e deixamos as emoções darem cabo de nós, ora ligamos o piloto automático e tentamos ocupar-nos o maximo possivel à espera que passe. E nesse piloto automático começa a parecer que até conseguimos lidar com as situações, até somos fortes porque entre uma choradeira e outra abrimos o sorriso e vemos o lado bom da coisa. Depois há dias, em que assim que abres a pestana as lágrimas correm, e já não tens certeza de nada. Pedes que sejam só uns dias (de preferência só aquele dia) mas sentes-te fraca, e as dúvidas tomam o lugar de um possivel sorriso. Porque na realidade não se pode fugir de um desgosto. Podes ocupar a cabeça mas o peito está vazio, e assim se mantém até te curares. A solução? Desconheço-a. Mas agarro-me à ideia de que tenho direito como ser humano a não estar sempre bem. Que dias maus fazem parte. E que o importante é ir caminhando, por muito devagar que vá, por muito que as vezes pareça que dou um passo atrás, sei que tudo o que vivo é por alguma razão, tem algo a ensinar-me ou a curar.

Um dia de cada vez.

Viva 2020

Foi um ano do caralho. O mais dificil que vivi até agora. E durante muito tempo nao quis pensar nele. Hoje, 1-1-2020 pelas 6h da manhã, acordada ha 22h e com mais 10h pela frente, cedi. Perguntei-me o que conquistei de bom este ano. À primeira pensei... nada. Caí fundo numa depressão, perdi a minha mãe, separei-me, fiquei sem o meu cão, sem a minha casa. Depois pensei melhor. Ajudei amigos, ouvi com interesse, aconselhei, arranjei tempo, apoiei a minha família, fui buscar forças sei lá onde para enfrentar meses em que só me apetecia morrer, mudei de trabalho onde dei o meu melhor e fui reconhecida, fiz tudo o que pude pela minha mãe, abdiquei da minha vida por ela, assumi o compromisso de treinar e me alimentar bem por 6 meses. São coisas importantes, são conquistas. Parecem pequenas perto da merda que passei. Mas concluo que a minha maior vitoria em 2019 foi: sobreviver. Com garra pelos meus, com amor, com perdão, com coragem. E a vida acabou por me recompensar. Quando tudo o que me apetecia era enfiar a cabeça na areia e apagar, desistir, saí da minha zona de conforto, forcei-me a tirar um bilhete de avião e arranquei em direcção aos meus. E passei a melhor semana do ano! Encheram-me de amor, compreensão, mimo, carinho e atenção. Fizeram tudo para que fosse perfeito para mim. Deixaram-me à vontade para ter momentos sozinha, ou para não me largar da mão, consoante eu quisesse, para chorar, para falar, para rir, para dançar, para ser eu. Ouviram-me. Respeitaram-me! Dormi em duas casas. Visitei mais quatro. Andei de avião, comboio, autocarro, carro e metro. Comi até não poder mais. Abracei sempre que quis. Não me faltou café. Sorri. Dancei. Chorei. Agradeci. Amei.
Foram dias de conversas dolorosas e de gargalhadas até a barriga doer. Foram dias de amor. A quem me deu a mão, so posso agradecer. E percebo agora que às vezes não temos noção de a que ponto poderemos estar a ajudar alguém. A mim, salvaram-me a vida. Este ano será sem duvida para tratar de mim, em todos os sentidos. Reconstruir-me, levantar-me, e percorrer um caminho longo mas que valerá a pena. Venha 2020, com saude e coragem, o resto... eu conquisto.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.